Titulação: o que é, pra que serve, do que se alimenta?

Titulação: o que é, pra que serve, do que se alimenta?

Titulação é uma das técnicas analíticas mais antigas e utilizadas nos laboratórios de ensaios.

Por ser uma técnica relativamente simples, eventualmente, acaba sendo banalizada. Então, trazemos aqui algumas particularidades e pontos de atenção, para que você tenha certeza de que a está utilizando de maneira correta:

1)  Princípios da Técnica

É uma técnica analítica utilizada para determinar a concentração de um determinado analito, através da dosagem de uma solução padrão, com um número definido de moléculas (Titulante).

2)  Analito x Amostra

Precisamos conhecer as características do nosso analito (se ele está disponível no meio reacional, se existem interferentes, solubilidade, reações paralelas, etc).

E aqui, chamamos atenção para um conceito que precisa estar bem claro: analito x amostra.

Analito: aquilo que queremos determinar (exemplo: cloreto, acidez, basicidade, cálcio, magnésio…)

Amostra: é aquela que contém o nosso analito de interesse (água, suco, vinho, sal de cozinha, efluente…)

3)  Estequiometria da reação

Sim, esse é um ponto muito importante a se observar! A titulação está diretamente relacionada com a estequiometria da reação: analito x titulante.

4)  Meio reacional

Precisamos identificar em que tipo de solvente minha amostra é solúvel.

 5)  Tipo de reação química

Precisamos saber qual é o tipo de reação que vai acontecer para a determinação do nosso analito. São elas:

  • Titulação ácido-base em meio aquoso: um ácido titulando uma base e vice-versa em meio aquoso (a maior porção do solvente é água);
  • Titulação ácido-base em meio não aquoso: um ácido titulando uma base e vice-versa em meio não aquoso (solventes orgânicos, por exemplo);
  • Titulação redox: quando ocorre uma oxidação ou redução do nosso analito;
  • Titulação de precipitação: quando ocorre a precipitação do nosso analito;
  • Titulação complexométrica: quando há formação de complexo envolvendo o nosso analito.

Observado estes pontos, a Titulação pode ser Manual, Potenciométrica, Fotométrica, Termométrica… Ou seja, nós podemos escolher qual tipo de detecção é mais adequado para as nossas necessidades analíticas e a realidade do nosso laboratório! Do que estamos falando?

Manual: Utilizando o método de indicação visual (fenolftaleína, alaranjado de metila, azul de bromofenol…);

Potenciométrica: Utilizando o método de indicação através de eletrodos potenciométricos (variação de potencial);

Fotométrica: Utilizando o método de indicação com eletrodos que detectam a variação de comprimento de onda da reação;

Termométrica: Utilizando o método de indicação com eletrodos que detectam a variação da temperatura da reação.

E, sim, dentro de cada tipo de detecção existem muitas outras particularidades / cuidados que devemos tomar!

 

Algumas aplicações típicas:

Titulação

– Acidez em suco de laranja (ácido-base em meio aquoso);

– Número de ácidos e bases em óleo lubrificante (ácido-base em meio não aquoso);

– Teor de cloreto em sal de cozinha (de precipitação)

– Dureza em águas (complexométrica);

– Teor de Cálcio e Magnésio em leite (complexométrica);

– Teor de sódio em alimentos (termométrica).

 

Em nossos Treinamentos Personalizados de Titulação te ajudamos a esclarecer as principais dúvidas pertinentes à sua rotina!! Quer saber mais? Entre em contato conosco e conte-nos como podemos te ajudar!!

 

Por Andrea Moreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WeCreativez WhatsApp Support
Não esqueça de baixar um de nossos e-books gratuitos no menu acima.
👋 Olá, como podemos ajudar?